Que calor, que horror, menos pavor e mais consciência ambiental!  

Por Carine Massierer*

O Jornalismo Ambiental tem muitos desafios, mas o maior deles é contribuir para que a população mude suas posturas e reveja sua forma de vida, de interação com o meio ambiente e se torne consciente de que as mudanças climáticas são reais. Prova disto são as ondas de calor que vêm afetando o mundo de Norte a Sul e que são apenas noticiadas quando os prejuízos passam a afetar nossos bolsos, as temperaturas se tornam quase insuportáveis, pessoas e animais estão morrendo e as plantações destinadas a nossa alimentação estão sendo perdidas em função da escassez de chuvas.

As coisas estão mudando faz tempo, mas raros são os espaços na imprensa corporativa e raros são os momentos minimamente dedicados às mudanças climáticas. O tema merece muito mais cobertura e não só quando o calor chega a temperaturas nunca antes alcançadas na história de diferentes países e causa pavor, como na matéria publicada no site do G1 no dia 04/01/20, como mostra a manchete abaixo:

CM artigo OJA - sobe para 23 numero de incendios

Imagem – Captura de tela de reportagem publicada no site do G1 acompanhada de vídeo

O incômodo pela ausência de mudanças do clima na imprensa e aí não me refiro somente a imprensa comercial, mas também a falta de iniciativas de produção de matérias por parte das assessorias de imprensa e de pessoas ligadas a organizações da sociedade civil e suas redes, por agências de jornalismo investigativo, dentre outros. Muito se deve a falta de investimento político (pois as mudanças do clima não são tema que atraia votos) e financeiro, o que deveria ser diferente em razão da importância civilizacional, como são as mudanças no clima da Terra.

A mudança do clima em si tem valor-notícia para permanecer no hard news, mas não permanece. Ela somente vira pauta quando situações extremadas preocupam a sociedade, afetam o mercado financeiro e causam perdas nas lavouras, como no registro feito pela Globo no telejornal Hora Um, em 03/01/20, para retratar as faltas de chuvas no Rio Grande do Sul registradas desde o final de 2019, aliadas a altas temperaturas.

falta de chuva e temperaturas altas

Imagem – Captura de tela de matéria publicada no site do G1 na Hora Um da Notícia

O tema é pouco noticiado e sem regularidade, e nem mesmo o Observatório do Clima que poderia ser um espaço de consulta e abrir frente a uma ampliação de espaços para o tema na imprensa brasileira, não tem conseguido mudar a situação apesar de assumir a responsabilidade importante de noticiar e cobrar ativamente o governo.

Enfim, compartilho da ideia do jornalista Ulisses Capozzoli, de que “a mídia é de fundamental importância para a conscientização, especialmente na educação para um presente e futuro cada vez mais exigentes, de um ponto de vista ambiental, entre outros. E aí aparece o paradoxo: o desafio de conscientizar a própria mídia” para a importância do tema e a mudança de postura da população.

Antes que o calor nos mate, façamos do pavor um motivo de mudança de postura pessoal e de convencimento de que o jornalismo precisa sim ter assumir uma posição: estar ao lado do meio ambiente e da vida.

 

Referência:

CAPOZZOLI, Ulisses. Aquecimento global e a consciência da mídia. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/ciencia/aquecimento-global-e-a-consciencia-da-midia/ . Acesso em: 05 de janeiro de 2020.

*Carine Massierer é jornalista, mestre em Comunicação e Informação pela UFRGS e integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS)