Jornalismo Ambiental Direto da Ciência

Imagem: captura de tela – Site de jornalismo científico publica reportagem exclusiva denunciando desmonte de bases cartográficas em São Paulo
Roberto Villar Belmonte*

O jornalismo especializado em temas ambientais abriu espaço na imprensa brasileira quando adotou a ciência como fonte central das reportagens, segundo relato de repórteres que trabalharam com a pauta ecológica nos anos 1970 e 1980, entre eles Randau Marques e Liana John. De lá pra cá a perspectiva científica passou a fazer parte do que é considerado jornalismo ambiental de referência, nas grandes redações e também fora delas. 

Com as mudanças estruturais que assolaram o jornalismo devido à digitalização do mundo no século XXI, redações têm sumido e/ou murchado. Uma das consequências disso é a precarização do trabalho, a outra é o surgimento de pequenos empreendimentos produzindo jornalismo especializado de qualidade. Um exemplo é o site Direto da Ciência mantido por Maurício Tuffani. 

O site foi lançado em março de 2016 quando Tuffani deixou o cargo de editor-chefe da revista Scientific American Brasil, como ele mesmo relata. Política ambiental é uma das pautas objeto de análise, opinião e investigação do serviço jornalístico criado por ele. O editor trabalha com repórteres freelance. E quem paga a conta são os assinantes do serviço especializado.

Reportagem exclusiva publicada pelo repórter freelance José Alberto Gonçalves Pereira, no dia 3 de fevereiro mostra que o olhar especializado do jornalista permite descobrir falcatruas pouco visíveis ao olho do generalista. Ele mostrou como a gestão do governador João Doria (PSDB) desmantelou acervos e bases cartográficas de planejamento urbano.

O que isso tem a ver com a pauta ambiental? Tudo. Esses programas, produtos e sistemas de informações cartográficas são utilizados em políticas ambientais. Situação semelhante – extinção de estruturas de estado que dão suporte a políticas públicas na área ambiental – aconteceu no Rio Grande do Sul quando o ex-governador José Ivo Sartori (PMDB) extinguiu a Fundação de Economia e Estatística e a Fundação Zoobotânica. No caso de São Paulo, o site Direto da Ciência deu furo de reportagem denunciando mais um desmantelamento.

Essa informação exclusiva sobre os danos causados pela extinção da Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa) segue repercutindo em São Paulo, conforme suíte publicado pelo mesmo repórter, no dia 10 de fevereiro, e também nessa segunda-feira, com texto ampliando os bastidores da extinção.

Semana passada outro jornalista especializado em temas ambientais, com formação científica, também escreveu para o site Direto da Ciência . O repórter freelance Eduardo Geraque, que também é biólogo e tem mestrado em Oceanografia, publicou no dia 13 de fevereiro texto analisando a superficialidade da política para a Amazônia anunciada de improviso pelo atual governo federal , mais uma vez deixando de lado as pessoas que vivem e conhecem a região. Ele aponta como caminho possível a bioeconomia.

Sites jornalísticos como Direto da Ciência, O Eco, InfoAmazônia, Amazônia Real, Pública – Agência de Jornalismo Investigativo, Repórter Brasil, Nexo Jornal, Envolverde e Eco Nordeste são alguns exemplos que demonstram a possibilidade da cobertura especializada de temas ambientais sobreviver às mudanças estruturais do jornalismo, ou seja, fora das redações tradicionais. Você já apoiou algum desses projetos?

*Roberto Villar Belmonte é jornalista, professor e pesquisador dedicado à cobertura ambiental. Membro do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s