Políticas de desenvolvimento e aumento da temperatura: quais as relações?

Por Eliege Fante*

A temperatura média global está quase 1oC acima desde o início das medições, mas em Passo Fundo (RS) onde nasci, está 1,7oC acima, de acordo com a ferramenta do jornal NYTimes. A supressão de áreas naturais para a sua conversão em monoculturas de commoditties e cidades (urbanização, industrialização, etc.) estão entre as causas do aumento das emissões de gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global e a mudança climática. A virada do milênio nos trouxe algumas certezas, como a de que os 20 anos mais quentes da história foram registrados nos últimos 22 anos, sendo que 2015 a 2018 ocupam os quatro primeiros lugares do ranking. Outra é que, segundo os cientistas, a temperatura média global não deve ultrapassar 1,5oC sob pena de sofrermos as consequências do desequilíbrio climático: impactos na saúde humana, perda da biodiversidade, prejuízos na economia, entre outras. 

Precisamos ficar preparados para o pior” é a instrução do diretor do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP), Marcos Buckeridge, e também o título de reportagem sobre a vulnerabilidade das cidades neste contexto de mudança climática caracterizada por eventos extremos. Esta vulnerabilidade se evidencia nos “erros de urbanização” citados: canalização de rios e impermeabilização do solo. Todos conhecemos áreas de várzea, de banhado, de preservação permanente em nossos municípios natais que foram aterradas para facilitar ou promover o desenvolvimento através da construção de loteamentos, estádios de futebol, indústrias, parques, etc. Falamos de empreendimentos privados ou públicos, planejados e assinados por profissionais habilitados, licenciados pelos órgãos responsáveis e com as devidas compensações ambientais especificadas. Contudo, os registros de danos e perdas se acumulam, inclusive nas cidades mais desenvolvidas e ricas do país, como Belo Horizonte, vitimada pela chuva torrencial em janeiro, e São Paulo, com fortes chuvas neste mês de fevereiro. 

Devemos lembrar que não são apenas os formatos conhecidos de urbanização que dificultam ou impedem o necessário e adequado escoamento da água dos temporais e/ou a retenção e a conservação de água para os usos nos períodos de estiagem. A lógica desenvolvimentista igualmente determina a atividade econômica dominante e a respectiva política de conversão das áreas naturais no chamado meio rural. Retomando o caso de Passo Fundo, a expansão do agronegócio nos últimos 30 anos com a monocultura da soja e do milho foi de 37 mil hectares em 1987 para 52 mil em 2017 (ver quadro). A área florestal de Mata Atlântica foi preservada sob a proteção da lei vigente, mas a área campestre, como a do capim barba-de-bode, não. De fato, os campos sulinos são as áreas menos preservadas no país. Isso é importante também porque reflete a drástica redução da pecuária familiar, que é a atividade econômica principal do gaúcho. O gaúcho e o cavalo tem sido lembrados praticamente uma vez ao ano, durante as comemorações da revolução farroupilha em setembro. A tradição e alguns hábitos como o do chimarrão não devem desaparecer no Rio Grande do Sul, mas a pecuária está cada vez mais restrita por várias razões, principalmente a conversão dos campos nativos em monoculturas de grãos exóticos.

O Mapbiomas nos mostra que a área de pastagem em Passo Fundo no ano de 1987, de 15.611 hectares, caiu para 4.004 hectares em 2017. E que também caiu a área de mosaico entre agricultura e pastagem: de 12.606 hectares em 1987 para 5.881 hectares em 2017. Se relacionarmos esses dados ao fato de que “A atividade agropecuária domina a geração de gases de efeito estufa no Brasil”, em se tratando de monoculturas de exóticas e pastagens artificiais/cultivadas, não podemos deixar de problematizar o destino do maior aporte de recursos das políticas de desenvolvimento implantadas nesse período e as mudanças ocorridas em Passo Fundo: na paisagem, na atividade produtiva e até na temperatura. Por isso, cabe também às empresas de comunicação hegemônicas assumir mais esta pauta jornalística. Ao mesmo tempo que o potencial do agronegócio de commoditties gera muito lucro a poucos e exacerba a já conhecida desigualdade social, também desequilibra o meio ambiente e acelera os efeitos da mudança climática.   

* Eliege Fante é jornalista, doutoranda em Comunicação e Informação pela UFRGS, integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS) e bolsista Capes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s