A destruição das florestas: sem conhecimento, valorização e respeito

*Patrícia Kolling

Fonte: Captura de tela do site El Pais Brasil

“Mas para os povos indígenas uma coisa é clara: quanto menos você sabe sobre algo, menos valor isso tem para você ― e, portanto, mais fácil será de destruir”. 

Esta frase da líder ambiental da comunidade waorani, Nemonte Nenquimo, é um dos apelos por ela escritos na Carta da Amazônia, uma mensagem direcionada aos nove presidentes de países amazônicos, publicada no jornal El Pais, em 12 de outubro, (Vale a pena a leitura na integra). Trata-se de uma carta escrita com conhecimento e sentimento, que clama respeito à floresta e aos povos indígenas. Nemonte Nenquimo destaca os milhares de anos que os povos indígenas levaram para conhecer a floresta Amazônica. “Entender suas formas, seus segredos, aprender a sobreviver e a prosperar com ela”, explica. 

O que Nemonte Nenquino diz se torna ainda mais potente diante das falas dos nossos governantes sobre esse assunto.  Na última terça-feira, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu o aumento de cabeças de gado no Pantanal para que comam o mato que serve de combustível e agrava as queimadas. A exemplo da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, ele defendeu a tese do “boi bombeiro” e a expansão da pecuária na região para conter incêndios. Na matéria citada, no entanto, especialistas criticam essa visão, apontando que a criação de gado aumentou no Pantanal nos últimos anos, ao invés de diminuir, rebatendo a ideia de que os bois seriam fundamentais para impedir incêndios. Além disso, um dos focos de incêndio que devastou recentemente uma área de conservação no Pantanal teve início, segundo perícia, justamente numa fazenda de criação de gado nas redondezas.

A leitura destes dois textos nos instiga a refletir sobre a necessidade do jornalismo valorizar a pluralidade de enfoques e vozes. O primeiro deles é uma carta escrita por um povo que vive próximo à terra e, como diz Nemonte, “são os primeiros a escutar seu choro”. Os waorani têm na floresta a sua principal professora: “esta floresta nos ensinou a caminhar com rapidez, e, como a escutamos, como aprendemos com ela e a defendemos, ela nos deu tudo: água, ar limpo, alimentos, remédios, felicidade, espiritualidade”, destaca o documento.  O segundo texto, escrito por um jornalista, reproduz falas de políticos que precisam mostrar preocupação com o desmatamento e as queimadas, diante da ameaça internacional de boicote aos negócios com o Brasil. A pressão para que o governo brasileiro tome medidas para reduzir o desmatamento na Amazônia e o receio de que a imagem de vilão ambiental possa prejudicar a ratificação do acordo Mercosul-União Europeia fazem com que o governo negue o problema e reproduza informações sem bases científica ou estatística, ignorando também conhecimentos tradicionais. O esforço jornalístico está justamente em recusar tais declarações, trazendo à pauta também a perspectiva científica.

Entra aqui a reflexão sobre o papel dos jornalistas e educadores na confrontação de informações. Há necessidade da diversidade de fontes, das fontes cidadãs (ou seja, as não oficiais), das fontes especialistas, das fontes políticas – tal, como fez o jornalista ao confrontar com especialistas as falas do Ministro do Meio Ambiente. É preciso informações contextualizadas, é preciso pesquisa; como na matéria, em que pesquisadores explicam detalhadamente os danos do desmatamento e da degradação, assim como nas citadas pelo colega Matheus Cervo neste Observatório da semana passada. Pois, como diz Nemonte, para valorizar e respeitar é preciso conhecer, saber sobre o tema, vivenciar.

*Patrícia é jornalista, doutoranda da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professora da Universidade Federal de Mato Grosso.

Comunicações criativas na transmissão de informações sobre as queimadas

Por Matheus Cervo*

 Infelizmente, pode-se dizer que não é novidade que vários veículos de comunicação têm noticiado as catástrofes ambientais que acontecem no Brasil e na América Latina. Nesta última semana, Antônio Nobre, sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), manifestou-se ao Uol para afirmar que estamos chegando a um ponto de não retorno em relação à recuperação dos nossos principais biomas. Estamos vivendo um cenário catastrófico que se expressa de forma drástica nas queimadas, no recorde de temperatura para setembro em 2020 e na própria pandemia do Covid-19.

    Para pessoas que possuem um estilo de vida urbano, as queimadas parecem um fenômeno distante, mas não são. Uma breve pesquisa nas notícias que focam a cidade de Porto Alegre, urbe onde reside o Observatório de Jornalismo Ambiental, mostra como os fenômenos locais estão intimamente ligados aos nacionais e globais devido às mudanças climáticas em curso. Tanto a Zero Hora quando o G1 noticiaram as grandes cenas de fumaça que puderam ser vistas pelos que vivem na nossa cidade. Diferentes meios noticiam a questão de saúde que se agrava à população urbana por causa das chuvas pretas que caem no sul do Brasil e pelas fumaças que pioram problemas respiratórios.

É possível perceber que algumas formas de noticiar as mudanças climáticas em curso tentam estabelecer as conexões entre os diferentes espaços do globo terrestre de forma criativa. El País fez uma matéria interessante chamada “O tamanho da área queimada na Amazônia e no Pantanal, comparada com sua cidade”, onde foram criados infográficos feitos a partir de imagens de satélite. Com dados provenientes do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que monitora o desmatamento no Brasil, foi possível perceber que se perdeu cerca de 20.000 hectares, ou 200 quilômetros quadrados, de vegetação devido às queimadas. Em cima das imagens de satélite de diferentes cidades, foi criado um círculo vermelho que representa a área em tamanho real para percebermos como seria o impacto caso o fenômeno tivesse ocorrido nos espaços urbanos.

Pode-se compreender que, hoje, há uma dificuldade de comunicar os fenômenos climáticos devido à complexidade do momento histórico em que vivemos. Mesmo as matérias que mostram as grandes fumaças ou as chuvas pretas afetando as grandes cidades não parecem o suficiente para criar uma sensibilidade na recepção dos citadinos que recebem as comunicações provenientes do jornalismo que enfoca as questões climáticas. 

Os recursos digitais relacionados ao design da informação permitem criar sínteses que comunicam os fenômenos de forma diferente do que permite o meio textual ou mesmo o fotográfico. Talvez essa seja mais uma forma de auxiliar na sensibilização do público urbano frente aos impactos ambientais que assolam nossa existência neste século.

* Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da mesma universidade. Acesso ao lattes: http://lattes.cnpq.br/8290548520385605.

A grande questão comum aos biomas brasileiros

Fonte: Captura de tela parcial da capa da publicação Campo Nativo e Pastagens

Por Eliege Fante*

Uma busca no Google com as palavras-chaves “Amazônia; Pampa” resulta em dezenas de páginas com notícias, e textos acadêmicos e/ou de órgãos de governos e instituições para estudo ou conhecimento sobre ambos biomas. A questão das queimadas, comum aos biomas brasileiros, apareceu como nesta notícia ao mostrar a incidência do fogo. Em geral, a abordagem inclui o combate, a fiscalização, as multas e punições previstas, a eficácia das leis. 

Apareceu também a questão comum da perda por supressão como nesta notícia do IBGE e republicada, em que somos informados do resultado da conversão de áreas, ainda que não trate das motivações: “‘O Pantanal tem como atividade tradicional o pasto nativo, mas ele vem sendo substituído pela pastagem por manejo, por meio da substituição por forrageiras exóticas, ou seja, gramíneas que não são originais do Pantanal’, observou.” O destaque na fala é nosso para provocar a reflexão sobre as motivações desse maior valor investido no que é exótico e na contramão da experiência e do conhecimento científico e técnico local sobre a biodiversidade nativa. 

As queimadas na Amazônia, e demais biomas onde os índices têm dado saltos em relação a anos atrás, são criminosas e têm a finalidade de suprimir a biodiversidade para transformar as áreas em campo, seja para pecuária em pastagem plantada ou para monocultura de soja (ou qualquer outra monocultura exótica que o mercado internacional de commodities ditar, como de eucalipto). Diante disso, a grande questão comum aos biomas brasileiros e a ser feita aos decisores das políticas públicas e privadas, por toda a sociedade, muito além do Jornalismo e das empresas dos meios de comunicação (que não estão fazendo) é: Por que investir em pecuária no bioma Amazônico, o centro do debate mundial sobre degradação e que é florestal, ou seja, possibilita outras atividades econômico-produtivas, quando seria possível incentivar a pecuária que conserva a biodiversidade nos campos do Sul do país? 

Em acordo com a Rede de Pesquisa Campos Sulinos, que reúne grupos e pesquisadores de diversas universidades e centros de pesquisas do Brasil: “não parece lógico que no Brasil se desmate floresta na Amazônia para lá ampliar as áreas de pecuária, baseada em pastagens plantadas, e se eliminem milhares de hectares de campos nativos no Sul do Brasil para produzir grãos para exportação ou plantar árvores exóticas”. Este alerta de 2015 é fundamentado por trabalhos que acumulam dados e experimentos e pode ser conferido na publicação Os Campos  do Sul, entre outras. 

Os números recentes sobre o estado de conservação do bioma Pampa podem ser conferidos nesta live do MapBiomas. Já as questões sobre as atividades econômico-produtivas coerentes com as características dos ecossistemas campestres são respondidas pelo professor e pesquisador Valério de Patta Pillar, coordenador da Rede Campos Sulinos, nesta live realizada pelo Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul.   

É de julho de 2020 a publicação “Revista Campo Nativo & Pastagens” que traz a opinião do professor e pesquisador Carlos Nabinger: “a pesquisa demonstra que é possível aumentar em cerca de 300% a produtividade animal em campo nativo apenas com adequado ajuste da carga animal e do diferimento estratégico de potreiros, e ainda melhorando os serviços ecossistêmicos. Isso significa passar da média estadual (no Rio Grande do Sul) atual de 70 Kg de peso vivo produzidos por hectare/ano para mais de 200 Kg sem qualquer custo adicional e ainda produzindo produtos com qualidades superiores para a nutrição e saúde humana.”

Portanto, o que está em jogo são as políticas públicas e privadas que homogeneízam os territórios. Delas decorre a exclusão da diversidade para a concentração de riquezas e o silenciamento da pesquisa e da ciência. À imprensa, talvez não seja tão urgente seguir nessa busca por sensibilização do grande público, a partir das imagens dolorosas e de morte dos seres pelo fogo, na mesma medida em que é urgente questionar, provocar reflexões, gerar esclarecimentos para uma mudança de paradigma.  

Continuar lendo “A grande questão comum aos biomas brasileiros”

Para além dos desastres: integrando a pauta ambiental à agenda nacional cotidiana

Fonte: Captura de tela e Amanda Perobelli/Reuters

Por Michel Misse Filho*

A destruição criminosa do pantanal pelas chamas, numa calamidade sem precedentes para a biodiversidade brasileira, tem recebido destaque da mídia nas últimas semanas. No embalo da catástrofe pantaneira, os focos de incêndio na Amazônia — também recorrentes no noticiário nacional — chamam, assim como em 2019, a atenção do mundo para o Brasil, num amálgama de dados: hectares, valores econômicos, número de focos de incêndios e retrospectivas de séries históricas. 

    Este é também um daqueles momentos em que, infelizmente pelas piores razões, a pauta ambiental extrapola seu próprio nicho e se desenrola por toda a agenda nacional em múltiplas nuances. Torna-se enredo dramático e heroico, no combate às chamas e resgate de animais; policial-investigativo, na busca pela origem do fogo; político, alavancado por um governo federal marcado pelo desmonte ambiental; econômico, pelo oportunismo verde de conglomerados empresariais e projeções para o agronegócio brasileiro; diplomático, na esteira do discurso do presidente da República na Assembleia Geral da ONU; e ético, também como desdobramento do negacionismo explícito que paira sobre o Planalto Central.

    Em termos jornalísticos, a cobertura é importante por ultrapassar as barreiras do que seria um “nicho ambiental”, embora percebamos, com isso, um dilema recorrente: o meio ambiente é pautado quando excede a si mesmo — efeito de um já naturalizado modus operandi jornalístico. E o problema é que, como já foi destacado em pesquisas da área e neste observatório, na ampla maioria dos casos, essa extrapolação se dá em situações de desastres ambientais, reforçando a ideia de que o meio ambiente só vira notícia quando sofre perigo. 

    O olhar para o futuro (capacidade de projetar cenários) pode ser uma das saídas possíveis a esse dilema, dispondo de visão sistêmica não motivada, necessariamente, pelo acontecimento factual de um desastre como os incêndios — mesmo que essa projeção se dê em função de evitar o agravamento futuro de situações já calamitosas. A projeção é um recurso interessante, desde que atenta para não se distanciar espacial e temporalmente do leitor. No caso da emergência climática, decorrente do aquecimento global, por exemplo, é comum a perspectiva de longo prazo, como nesta matéria da BBC publicada pelo G1, que mostra os mapas de previsões dos impactos até 2100. O texto peca, no entanto, ao negligenciar os impactos sociais, dando a impressão de problemas restritos à uma “natureza” (termo que, aliás, nomeia esta editoria do G1) e não à sociedade, como se este tipo de distinção fosse possível. 

    Mais interessante para a nossa análise é a notícia da France Presse (também publicada no G1), de que o 1% mais rico da população mundial emite o dobro de CO2 que a metade mais pobre, esta última justamente a que mais sofrerá com a emergência climática. Coloca-se o assunto, assim, na alçada da justiça social e aumenta seu interesse público. Para ficar apenas nos veículos da mídia tradicional, vale pontuar também o debate promovido e publicado pelo jornal O Globo, que aborda potenciais econômicos e desafios ambientais da Baía de Guanabara. Sem entrar no mérito das propostas, a iniciativa é interessante por, justamente, integrar um assunto ambiental à sociedade numa perspectiva cotidiana — por vezes invisível à lógica jornalística — de um olhar de médio prazo, sem a necessidade de um desastre ambiental que alavanque a pauta. 

Descortinar os impactos positivos, isto é, o potencial que a preservação ambiental pode legar à vida social, parece ser um caminho promissor para tratar daquilo que é eminentemente socioambiental, interseccionando as justiças ambiental, social e racial. 


* Jornalista e mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS). E-mail: michelmisse93@gmail.com

Cobertura de biomas sendo arrasados. Até quando?

Imagem: Capturas da tela de notícia do National Geographic Brasil

Por Eloisa Beling Loose*

Nesta última semana, veículos de comunicação tradicionais, como IG e Exame,  por exemplo, cobriram o Dia da Amazônia (5 de setembro) com a mensagem de que não tínhamos muito a comemorar, afinal agosto registrou o maior volume de queimadas do ano e o segundo maior da década, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O problema se estende ao Pantanal, que arde em chamas e tem sido alvo da atenção da imprensa em diferentes veículos (Estadão, G1, Uol, Repórter Brasil, National Geographic Brasil, dentre outros), afinal, os focos de incêndio entre janeiro e agosto deste ano equivalem a tudo o que queimou no bioma nos seis anos anteriores, de 2014 a 2019, provocando muitas mortes e destruição.

No último dia 11, efeméride para mobilizar a preservação do Cerrado, o Correio Braziliense alertou: “[…] a degradação da savana é similar, ou até maior, ao desflorestamento na Amazônia, o que faz alguns pesquisadores afirmarem que, se assim persistir, o bioma poderá desaparecer em grande parte até 2030”.

Embora esses biomas tenham recebido mais visibilidade nos últimos dias, todos estão sendo devastados. A destruição da biodiversidade gera extinção de espécies, desequilíbrio dos serviços ecossistêmicos e agrava ainda mais as consequências das mudanças climáticas.

A Mata Atlântica, que compreende quase todo litoral brasileiro, é que vem sendo mais afetada desde o processo de colonização portuguesa e segue sendo pressionado, principalmente, pela expansão desordenada as cidades. Em julho, a Galileu reportou um estudo feito na Caatinga pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, que aponta a perturbação antrópica crônica (construção de estradas de terra, pilhas de madeiras, gado, lixo, por exemplo) como um dos fatores que gera forte impacto na degradação dos biomas, sendo tão significativa quanto o desmatamento.

Já o Pampa, quase sempre silenciado pela imprensa nacional, não ficou imune à lógica da destruição: o Inpe verificou um aumento de 343% no número de ocorrências no primeiro semestre de 2020, em relação ao mesmo período no ano anterior, e a região ainda enfrenta as ameaças geradas pela exploração de minérios. A série de reportagens chamada Devastação no Pampa, o bioma esquecido, publicada no dia 8 pelo Colabora, detalha como o avanço do agronegócio e a exploração de minérios coloca em risco o modo de vida tradicional dos pequenos pecuaristas, considerados guardiões da biodiversidade, e impede a preservação do pasto nativo.

Imagem: Captura da tela de reportagens no site Colabora

O jornalismo tradicional segue atento àquilo que foge à dita “normalidade” e, por isso, os números recordes de queimadas, as efemérides, os novos estudos e as cenas chocantes de animais sendo mortos no Pantanal trazem a pauta à tona. Mas, em um mundo no qual o futuro é cada vez mais incerto, onde está a anormalidade?

Quando a imprensa naturaliza a deterioração do planeta, o processo destrutivo deixa de ser notícia. Quando o argumento econômico não é questionado, todo o resto é apresentado como inevitável – quando, de fato, não o é.

Diante de um projeto de devastação em larga escala, que atinge todos os biomas brasileiros, cabe ao jornalismo observar de forma mais panorâmica as causas ou as cadeias de relação que permitiram (e permitem) que o discurso do progresso desmate, queime e altere vidas orientada pela maior “oportunidade” de lucros. Os negócios baseados na exploração da natureza só beneficiam, a curto prazo, os exploradores, enquanto produzem uma série de malefícios para uma grande parcela da população.

A forma de seleção dos fatos jornalísticos precisa considerar mais aquilo que impacta nosso futuro – e não apenas o presente. Uma visão de longo prazo é necessária porque as consequências parecem cada vez mais irreversíveis.

É importante que veículos alternativos tragam aquilo que não foi mostrado pela grande imprensa (é uma complementariedade desejável), porém, por outro lado, não podemos desobrigar que jornalistas em outros meios, que geralmente têm maior alcance, reflitam sobre os motivos de tantas questões serem reportadas quando não há muito mais a fazer.

*Jornalista, mestre em Comunicação e Informação, e doutora em Meio Ambiente e Desenvolvimento. Vice-líder do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS). E-mail: eloisa.beling@gmail.com.

Enquanto o Pantanal queima, Jornal Nacional elogia o agronegócio

Fonte: Captura de tela do Jornal Nacional

Por Nicoli Saft*

Durante essa primeira semana de setembro, o Jornal Nacional dedicou quase seis minutos para falar bem do agronegócio, em duas reportagens. De segunda à sexta-feira, as queimadas que destroem os biomas Pantanal e Amazônia foram noticiadas em uma nota coberta de 39 segundos que apresentou dados das queimadas do mês de agosto, divulgadas pelo Inpe.

No sábado, dia cinco, o telejornal destinou um pouco mais de 5 minutos a pautas relativas ao meio ambiente, um tempo considerável quando falamos de jornalismo televisivo. Foram cerca de 40 segundos sobre uma operação contra garimpo ilegal no Pará, o mesmo tempo em uma nota sobre as causas dos incêndios no Pantanal, e uma reportagem de quase 4 minutos sobre as implicações do desmatamento na economia. Mesmo com esse tempo, o foco da emissora está nas questões econômicas. O Brasil retornou para recessão este ano, e entendo que é necessário falar sobre os impactos econômicos das queimadas, entretanto, também é preciso discutir sobre os fatores que contribuem para o aumento do desmatamento e apontar o agronegócio também como um vilão nessa história.

As reportagens sobre o agronegócio  foram feitas pelo repórter Bruno Bortolozo, através da TV Centro América. afiliada da Rede Globo no Mato Grosso. A primeira , de segunda-feira, 31 de agosto, aborda a tecnologia utilizada no plantio de commodities. Com o auxílio de satélites e inteligência artificial, é possível saber exatamente qual a área mais produtiva da propriedade e qual necessita maior cuidado. Com a umidade sendo monitorada, as máquinas são programadas a parar quando está muito seco, devido ao risco de incêndio na plantação. Um dos entrevistados, o engenheiro de sistemas Flávio Tarasoff,  um aplicativo para monitorar a produção de alimentos/bens desde a origem, devido ao aumento da preocupação com o respeito aos protocolos “ambientalmente sustentáveis” e com a comprovação de que o produto não é proveniente de área de desmate ou reserva indígena”. Entretanto, mesmo que a fala de Tarasoff toque em alguns pontos importantes, por ela estar isolada acaba não se destacando. Na própria fala também fica perceptível a prioridade com o mercado consumidor, e não o meio ambiente.

Na segunda reportagem, de quarta-feira, 02 de setembro, o foco é o crescimento das exportações para a China – o principal produto é a soja, mas a exportação de carne bovina deu um salto, e os pecuaristas preveem um aumento nas vendas de carne suína. William Bonner, quando chama a reportagem, coloca o setor agropecuário quase como um modelo ao elogiar a sua resistência frente ao impacto da pandemia.

As notas sobre as queimadas, nas edições de terça-feira, dia 1º de setembro, e de sábado, dia 05 de setembro, são breves e não apontam as causas. A primeira nota apresenta os dados que indicam que este foi o pior mês de agosto em número de queimadas no Pantanal em 14 anos, segundo o Inpe.  As queimadas na Amazônia no mês de agosto foram a segundas piores dos últimos nove anos, atrás apenas de 2019.  A segunda nota  aponta o resultado de perícias iniciais das queimadas no MT que culpam, em grande parte, as ações humanas. A nota não indica quais são as causas  apontadas pela perícia, as quais podemos ver nessa matéria da Agência Brasil. Na Reserva Particular do Patrimônio Natural Sesc Pantanal (RPPN) , o incêndio foi causado para a criação de área de pasto para gado (algo que vimos nas queimadas da Amazônia no ano passado), já em local chamado de Fazenda São José, a fogo foi provocado para a extração de mel. Alguns incêndios foram acidentais, mas também causados pela ação do homem e/ou do agronegócio, como é possível perceber em máquinas agrícolas que pegaram fogo e em acidentes de carro. Existe também a possibilidade de que as secas que auxiliam o fogo serem resultado da atual Emergência Climática, como apontado por pesquisadores nesta reportagem da BBC News Brasil, embora afirmem que ainda são necessários alguns anos para entender a atual estiagem.

A única reportagem do Jornal Nacional que discute as queimadas mais do que 40 segundos  já  apresenta uma visão capitalista: os investimentos estrangeiros diminuíram. A destruição das florestas é lamentada, não pela perda da biodiversidade, ou pelo impacto no clima, ou até mesmo devido ao prejuízo cultural dos povos indígenas, mas sim em razão da perda do dinheiro estrangeiro. Os fundos de investimento cobram maior fiscalização do governo, entretanto, a reportagem não cita o agronegócio como um causador do desmatamento, sobre o qual podemos ver nesta reportagem da Mongabay . Constato uma triste ironia, a chamada do âncora cita o Dia da Amazônia, 05 de setembro, uma justificativa para pautar sobre o meio ambiente. O Jornal Nacional, nessa semana, não promoveu uma ligação entre as queimadas e o agronegócio, mesmo quando os entrevistados citaram o perigo de máquinas agrícolas pegarem fogo. É necessário entender que o agronegócio não é um exemplo para o Brasil, como aponta a segunda reportagem aqui mencionada. Ele é um dos causadores do afastamento de investimentos estrangeiros, mas a perda não é somente econômica. As florestas do Pantanal e da Amazônia continuam a arder, para em breve, virarem pasto e monoculturas.

*Jornalista, mestranda em Comunicação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul com bolsa Capes. Integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

Não basta falar da Amazônia: sobre história e múltiplas vozes

Por Ursula Schilling* e Eutalita Bezerra**

Fonte: Luis Deltreehd/Pixabay


Hoje, 5 de setembro, é o Dia da Amazônia. A data, que não podemos, no atual contexto (e mesmo no passado), chamar de comemorativa, pode ser aproveitada pelas diferentes instâncias da sociedade, e especialmente pelo jornalismo, não só para reaquecer o debate sobre a maior floresta tropical do mundo, mas para trazer “novas” abordagens para além de dados e denuncismo. Não basta falar de quantidade de hectares destruídos, queimada, desmatamento, extermínio de fauna e conflitos por território, é preciso que diferentes vozes se somem a esse grito.

Quando falamos em novas ou outras vozes, queremos dizer dar espaço para fontes além das oficiais. Ouvir autoridades de governo, instituições representativas e acadêmicas, sim. Mas ouvir a população local, povos nativos e detentores de outros saberes que não os institucionais. E mais: na balança informativa – que vem falhando historicamente – cabe considerar que conceder espaço de fala a um governante e a um indígena, por exemplo, não garante equanimidade. Até mesmo essa proporção precisa ser repensada para atingir o equilíbrio.


Artigo recente publicado no site Le Monde – Diplomatique Brasil, intitulado “A Amazônia e o antiambientalismo de resultados”, é um bom exemplo de como romper com a monofonia e o olhar cartesiano para o assunto. O artigo não foi escrito por um jornalista, mas tem espaço em um site jornalístico, o que é bem-vindo, para começar. Trata-se do resultado de uma reflexão proposta por um acadêmico, Henri Acselrad, que traz uma mirada ainda pouco explorada pela mídia hegemônica. Logo de começo, o autor faz uma provocação importante.

“Tem-se discutido menos, porém, o papel dos povos indígenas na preservação dessa floresta, na luta secular para protegê-la com seus conhecimentos e sua cultura material e imaterial – povos cujos direitos estão sendo ameaçados, hoje, a partir de ações gestadas de dentro mesmo da máquina governamental.”

Fonte: Captura de tela do site Le Monde Diplomatique


Ele questiona e evidencia a lógica dominante, que considera a preservação do meio ambiente e a presença de povos indígenas um entrave ao desenvolvimento (leia-se geração de lucro). Além disso, traz uma leitura a partir da história, recuperando informações importantes para pensar criticamente a questão da exploração da Amazônia. O tom é franco, algo muito necessário em meio a um mar de uma retórica pro forma, e pode soar duro até.

“O que dizem os atuais governantes é que não importa o indígena, nem a árvore; menos ainda as relações entre eles. Importa só o minério, as terras e as águas como matéria e espaço para a obtenção de lucros e divisas.”


Aqui voltamos ao papel educativo/informativo do jornalismo. Para estimular uma ação com força de mudança, para provocar inquietação e incômodo em que lê/assiste, é preciso, por óbvio, contar mais do que usualmente é contado. É preciso contexto e reiteração.Há inúmeros outros aspectos necessários abordados ao longo da crítica. Destacamos a discussão sobre o antiambientalismo liberal, que tomou força no Brasil com a eleição do atual presidente. 

“O antiambientalismo liberal é aquele que alega que quanto mais liberdade houver para as corporações, mais dinheiro elas ganharão e mais recursos restarão, supostamente, para a proteção ambiental.”

A lógica que busca desconstruir as regulações sobre o meio ambiente, pautadas, em muito, num racismo ambiental, é um assunto denso, mas pertinente e que tem fugido das pautas diárias. Quando surgem, descolados do todo, em pouco mobilizam. Ao contrário, provocam a inércia de que nada se pode fazer para refrear o que está posto. O artigo publicado no Le Monde é, acreditamos, um convite importante neste Dia da Amazônia. Não para uma comemoração, como dissemos, mas para uma participação mais efetiva na disseminação de informação qualificada sobre nossa floresta. 

*Jornalista, mestranda em Comunicação e Informação pela UFRGS e faz parte do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

** Jornalista, doutoranda em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul com bolsa Capes. Integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS). Eutalita@gmail.com*

Washington Novaes: “Essa coisa de meio ambiente não existe porque o meio ambiente é tudo”

Imagem: Reprodução/TV Anhanguera

Reges Schwaab*

Uma parte da história do jornalismo de qualidade acerca das questões socioambientais passa pelo trabalho dedicado de Washington Novaes, falecido em 25 de agosto, aos 86 anos, em Goiás. Um profissional que sugeriu caminhos e acompanhou diferentes fases da abordagem do tema no país. Em seu percurso, soube bem como abrir espaço e ajudar a pensar a cobertura sobre meio ambiente em distintos contextos. 

    Na atualidade, os problemas ambientais são reconhecidos publicamente pela dinâmica social na qual se inserem e pelo modo como ingressam nas agendas globais e nacionais, exigindo atenção jornalística mais cuidadosa. O cenário de riscos, que afeta todos os modos de vida, tornou impossível não reconhecer que o esforço deve vir também dos jornalistas. Novaes, podemos arriscar, é nome central para pensar viéses de atuação nesse cenário. Apesar dos distintos entraves e desafios, o lugar do jornalismo sobre meio ambiente no Brasil deve muito ao que Washington Novaes produziu, e como ele realizou a proposta jornalística que tinha em mente, em uma intencionalidade clara e embasada. 

    Na internet, uma rápida busca pelo nome do jornalista nos levará a diferentes contribuições, seja fazendo jornalismo, seja produzindo crítica ou opinião, em um esforço continuado pelo bom debate. Era um defensor de que o jornalista buscasse formar seu repertório para atuação. E a despeito do intenso trabalho com temáticas ambientais e socioambientais, chegou a declarar, certa vez, que não se considerava um jornalista especializado em meio ambiente: “Eu sou jornalista, como sempre fui. Mas tenho uma história de vida e de profissão que me levou a um interesse cada vez maior por isso ”.

    A declaração, assim como a frase que dá título ao presente texto, estão no episódio “Meio ambiente: a mídia ainda de olhos fechados”, exibido pelo Observatório da Imprensa em 12 de junho de 2012, às portas de mais uma Conferência da ONU sobre Meio Ambiente, novamente no Brasil, a Rio+20 (vídeo a seguir). Algum tempo depois, em entrevista para as jornalistas Paula Chamorro e Mônica Ribeiro, elaborou sua crítica em termos semelhantes: “Eu sempre tento esclarecer que não sou ambientalista. Eu sou jornalista, e se trato muito dessas questões é porque não há como isolar o meio ambiente do restante. O meio ambiente está em tudo que a gente faz, na nossa vida toda. Não pensar nas chamadas questões ambientais significa deixar os problemas crescerem, e esses problemas são cada vez maiores”.

“A gente sempre esbarra em uma mesma questão, que são as lógicas financeiras se sobrepondo às chamadas lógicas ambientais” – Washington Novaes

    Em cerca de seis décadas de atuação, Washington Novaes foi colunista dos jornais O Estado de S. Paulo e O Popular (GO). Na TV Cultura de São Paulo, foi supervisor de Biodiversidade e comentarista do programa Repórter Eco. Passou por diferentes funções nos jornais Folha de S. Paulo, Estado, Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil, Última Hora, Correio da Manhã, e nas revistas Veja e Visão. Foi por sete anos editor-chefe do Globo Repórter, editor do Jornal Nacional e comentarista do Globo Ecologia, da Rede Globo. Como produtor independente de televisão, dirigiu as séries Xingu – a terra mágica, Kuarup, Pantanal e Xingu – a terra ameaçada, frutos de sua especialização em questões indígenas. Entre seus livros estão Xingu – uma flecha no coração (Brasiliense, 1985), A quem pertence a informação (Vozes, 1989) e A Década do Impasse – da Rio 92 à Rio+10 (Estação Liberdade, 2002). Recebeu o título de doutor honoris causa pela Universidade Federal de Goiás (em 2009).

    Em diferentes ocasiões, afirmou que o repórter que ingressa no tema ambiental tem de mudar sua visão de mundo e conhecer uma grande variedade de assuntos. Seu olhar atento também desafiava a repensar a cobertura corrente: “Se a imprensa resolvesse levar a sério a questão ambiental, teria que mudar toda a cobertura”, comentou certa vez. Seu trânsito por meios de referência e o tempo de profissão permitiam uma análise mais conjuntural. No episódio do Observatório da Imprensa, conversando com Alberto Dines, outro grande nome do jornalismo e da crítica à imprensa, Washington Novaes sintetizou um dos entraves no tratamento mais adequado do tema ambiental no Brasil, o conflito de interesses do mercado de comunicação: 

Eu acho que os meios de comunicação, durante muito tempo, viram as questões sobre o meio ambiente como coisa de hippies ou de profetas do apocalipse. Hoje, se tem a consciência de que é quase impossível discutir qualquer tema sem levar o meio ambiente em conta, porque tudo o que o ser humano faz causa algum impacto sobre o meio ambiente. O problema é que isso atinge interesses poderosos e a mídia fica com medo de ferir esses interesses. Então tudo isso se torna bastante complicado. 

Veja o episódio completo:

    As alterações do clima, hoje tratadas como emergência climática, o crescimento da população, o caos urbano e aumento da demanda por matéria-prima, com exploração desenfreada do ambiente, além do desrespeito aos povos tradicionais, temas demasiado complexos e inter-relacionados, não condizem com a descontinuidade e a falta de aprofundamento. Em sua visão, o jornalismo carecia de uma abordagem mais assertiva: “A comunicação tem que dar uma sequência no debate sobre o meio ambiente e não ficar cobrindo apenas fatos episódicos”, fazendo referência ao abandono das abordagens findado seu suposto “ciclo”. Um outro trecho do programa ilustra esse pensamento. Na interação com Dines, Washington Novaes exemplifica a recorrente incorreção do jornalismo na abordagem das pautas ambientais:

Dines – E a imprensa tem medo…

Washington – É. E fica ali se equilibrando entre as contas e um outro problema, esse você conhecDines – E a imprensa tem medo…e bem, que é a falta de continuidade no tratamento das questões. Noticia num primeiro momento em que há um impacto.

Alberto Dines – Como agora, nesse momento [à época, vésperas da Rio+20] 

Washington Novaes – … e depois esquece totalmente. Que é que está tratando, por exemplo, das consequências dos desastres climáticos na região serrana do Rio de Janeiro há mais de um ano [falando em 2012]. Quem está indo lá ver o que está acontecendo, o que foi feito para resolver? […] Não há sequência e os problemas vão acontecendo. Por exemplo, ninguém viu que 400 mil pessoas ocuparam as margens das represas de abastecimento de água de São Paulo, em áreas ilegais. Ninguém viu isso? E de repente vira um problema enorme. Como você faz com 400 mil pessoas ali, sem redes de esgotos, despejando esgoto e lixo na beira do manancial.

    A atenção respeitosa com as temáticas indígenas foi traço marcante em toda sua trajetória, em especial no trabalho em livros e no audiovisual. Novaes sublinhava a necessidade de respeito e profundo reconhecimento ao modo de vida e aos ensinamentos dos povos tradicionais. Por tal esforço, quando no centro do programa Roda Viva (TV Cultura), no ano 2000, recebeu um questionamento do então senador Blairo Maggi, sobre se teríamos de passar a viver como indígenas, se esta seria sua opinião. Washington Novaes rapidamente contestou: “Não, nós não teríamos competência para isso. Mas nós poderíamos aprender com eles”. 

    O exemplo de Washington Novaes é demasiado importante para ser resumido, cabendo recomendar o estudo de sua produção. Mas podemos ter sempre em conta que seu trabalho e sua obra compreendem um gesto de repensar constante do jornalismo por um princípio ecológico, justamente na potencialidade geradora que o fundamenta, em lógica dialética. Emerge um sentido cidadão e adequado ao tempo que vivemos, capaz de contemplar o cenário de exigências que se desenha para as práticas jornalísticas e o tema ambiental.

Continuar lendo “Washington Novaes: “Essa coisa de meio ambiente não existe porque o meio ambiente é tudo””

Cobertura jornalística em ano de eleições e pandemia: onde está a discussão da política ambiental no Brasil em chamas?

Fonte: Captura de tela do site G1

Por Débora Gallas Steigleder*

Notícias sobre acontecimentos que ameaçam ecossistemas e o bem-estar das populações humanas, em plena pandemia, deveriam ser recebidas com preocupação e suscitar o debate público sobre as estratégias políticas para o enfrentamento de crises que se sobrepõem. Assusta, por exemplo, que fatos como o crescimento de registros de supressão da vegetação nativa na Amazônia soem repetidos diante da recorrência de crimes ambientais incentivados pelo próprio governo federal.

Publicada em 19 de agosto, um ano após os incêndios criminosos na Amazônia dominarem o noticiário nacional com a chegada da nuvem de fumaça à cidade de São Paulo, reportagem de Carolina Dantas para o G1 informa sobre as queimadas que têm ameaçado os biomas Pantanal e Amazônia nas últimas semanas. A produção contextualiza o impacto do fogo de acordo com o ecossistema afetado. Também recorre a infográficos para auxiliar na visualização dos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Especiais e recupera informações veiculadas em outras emissões da Rede Globo, como Jornal Nacional e Fantástico. A relação entre os efeitos das queimadas na saúde humana também apareceu em G1 nesta semana, mas através de conteúdos produzidos por agências, como esta notícia da Reuters, assinada por Pedro Fonseca. O texto destaca estudo da Fundação Oswaldo Cruz sobre a probabilidade de aumento das doenças respiratórias na Amazônia, região já castigada pela Covid-19. O conjunto dos materiais de fato evidencia a gravidade da situação às leitoras e leitores do site.

Fonte: Captura de tela do site G1

No entanto, sentimos falta de um chamado à ação na cobertura. O que resta ao público além de lamentar o acúmulo de catástrofes? A menos de três meses do pleito que elegerá novos representantes nas Prefeituras e Câmaras de Vereadores, como o jornalismo pode pautar iniciativas ambientalmente responsáveis, de caráter preventivo, frente às campanhas políticas que estão por iniciar? Observando os conteúdos também publicados na editoria Natureza de G1 na mesma semana, uma possibilidade seria dar espaço às reivindicações dos indígenas Kayapó Mekrãgnotire, que realizam protesto na BR-163, no Pará. Afinal, a motivação dos ativistas indígenas tem a ver com os direitos negados a seu povo enquanto o incentivo ao progresso prioriza a construção de rotas para o escoamento de grãos produzidos em áreas com histórico de desmatamento e queimadas.

E, para evidenciar as conexões intrínsecas entre as questões ambientais, é necessário ir além do factual em matérias como a que reporta a liberação de novos agrotóxicos pelo Ministério da Agricultura em 20 de agosto. Aqui no Observatório, já falamos sobre o uso de venenos estar relacionado à lógica produtiva das monoculturas para exportação de commodities, atividade agroindustrial que motiva a degradação dos biomas brasileiros. Falta à cobertura jornalística destacar tais relações e evidenciar soluções, muitas das quais já emergem das próprias comunidades. Iniciativas como o cultivo de soja orgânica no Mato Grosso do Sul, conforme reportado por Brasil de Fato em 20 de agosto, poderiam ser abraçadas pelo poder público, mesmo que em pequena escala, a fim de garantir uma produção ecológica de alimentos, que respeite os ecossistemas e garanta e comida de qualidade para a população.

Entendemos que o papel do jornalismo é cobrar ações mais contundentes dos governantes na resposta à pandemia e aos problemas sociais, ambientais e educacionais que a partir dela se intensificam. Mas também acreditamos que o jornalismo pode catalisar mudanças sociais ao visibilizar alternativas para um planeta em crise.

*Jornalista, doutoranda em Comunicação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul com bolsa Capes. Integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

Mongabay reforça o jornalismo ambiental no Brasil

Imagem: Captura de tela – Capa do site em português da agência de notícias criada pelo ambientalista Rhett Ayers Butler  para chamar a atenção sobre a importância social e ecológica das florestas tropicais

Roberto Villar Belmonte*

O jornalismo ambiental praticado no Brasil ganhou um reforço internacional. Desde 2019, a agência de notícias Mongabay começou a trabalhar com jornalistas brasileiros para cobrir no país mais megadiverso do planeta pautas sobre florestas tropicais, conservação, desmatamento, povos indígenas e infraestrutura. 

Notícias ambientais para informar e transformar é o que promete o serviço de jornalismo independente criado pelo ambientalista estadunidense Rhett Ayers Butler, de 42 anos, atualmente com 500 correspondentes em 70 países e produções originais em inglês, indonésio, espanhol e português. 

No seu site em português, a Mongabay diz que “visa aumentar o interesse e a valorização de terras e animais selvagens, ao examinar o impacto das tendências emergentes no clima, na tecnologia, na economia e nas finanças em conservação e desenvolvimento”.

O jornalismo ambiental com foco em conservação da vida silvestre não é inédito no Brasil. Esse também é o viés do site O Eco, criado em 2004, e da extinta revista Terra da Gente (2004-2014). A novidade é que a Mongabay chega em um momento de barbárie ecológica fomentada por um governo federal de extrema direita.

O fundador da Mongabay faz questão de dizer no site em inglês que não se posiciona acerca das controvérsias ambientais. Ela não seria uma organização que advoga em prol das florestas tropicais, mas uma agência de notícias que praticaria um jornalismo independente baseado em fatos.

Como a cobertura é especializada, não há uma publicação de conteúdo com a mesma frequência dos sites de hard news. No site em português, há praticamente uma publicação diária. O site sempre tem uma manchete principal e três destaques. E um detalhe importante: jornalistas colaboradores são pagos. 

No sábado passado (15 ago. 2020),  a manchete de capa era uma notícia sobre os dados mais recentes do Projeto de Monitoramento da Amazônia Andina (MAAP): 242 focos de incêndio na Amazônia Legal brasileira entre 28 de maio e 12 de agosto, “quase a área do município de São Paulo”.  

Entre os destaques, uma reportagem assinada pelo jornalista Dimas Marques, criador do site Fauna News, explicando “como funciona o comércio ilegal que transforma papagaios livres em pets”, publicada no dia 13 agosto. O crime aconteceria anualmente no bioma Cerrado entre agosto e novembro.  

Em outro destaque na capa do site em português, Tiffany Higgins alerta: “O governo federal planeja escavar e dragar milhões de metros cúbicos de rochas e areia do Rio Tocantins no Pará – inclusive no delicado ecossistema conhecido como Pedral do Lourenço, habitat de espécies endêmicas de peixe”. 

Mongabay foi lançado em 1999 como um site de divulgação científica sobre florestas tropicais. A transformação em agência de notícias internacional ganhou fôlego em 2012 com a contratação de uma equipe na Indonésia. Em 2016, Rhett Butler lançou o serviço em espanhol focado na América Latina e no ano passado chegou ao Brasil.

O nome Mongabay é uma homenagem do ambientalista Rhett Butller a uma pequena ilha (Nosy Mangabe) localizada no nordeste de Madagascar considerada um paraíso da vida silvestre. O logo da agência de notícias é inspirado em um pequeno lagarto (day gecko) que vive naquela região. 

A Mongabay não é o único serviço estrangeiro que cobre meio ambiente no país. Pautas ambientais também fazem parte do noticiário da Agência Inter Press Service (IPS), El País Brasil, The Intercept Brasil, Le Monde Diplomatique Brasil, BBC Brasil e Deutsche Welle Brasil.

*Roberto Villar Belmonte é jornalista, professor e pesquisador dedicado à cobertura ambiental. Membro do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).