Cai o ministro, segue a boiada: o PL490 é sobre a vida de todos nós

Por Ângela Camana*

Imagem: Captura de tela do site El Pais Brasil

Os acontecimentos desta última semana de junho, narrados em textos que ocuparam as capas dos principais portais de notícias, são representativos de um argumento recorrente entre aqueles e aquelas que se dedicam a pensar o jornalismo ambiental: as “questões ambientais” não estão restritas a uma editoria específica, pois as transbordam. A cobertura sobre a tramitação do PL490 – que altera a legislação sobre terras indígenas, instituindo, entre outras mudanças, o marco temporal – foi manchete ao longo de toda a semana, mobilizando discussões que vão desde os arranjos político-partidários à denúncia do ataque que este projeto de lei promove aos direitos dos povos originários e, em última instância, à própria natureza, já que abre margem para o garimpo e a grilagem. Poucos textos, no entanto, abordaram o fato de que a preservação da floresta é cara não unicamente aos que nela habitam, mas a todo o planeta, já que a manutenção da biodiversidade é necessária à regulação do clima, por exemplo. E, infelizmente, a pauta também chegou às páginas policiais, devido à ação truculenta da polícia para sufocar a manifestação dos indígenas de diversas etnias em frente ao congresso – com repercussão inclusive em veículos internacionais, como o The Guardian.


Observar a cobertura que a imprensa brasileira dedicou ao PL490 já é uma tarefa a ser sugerida nas salas de aula dos cursos de jornalismo de todo país – pois, por mais que algumas notícias relutem em assumir, trata-se de pauta cujas fronteiras editoriais são borradas: direitos humanos, economia e política são indissociáveis da natureza. Averiguar as estratégias narrativas adotadas pelos veículos acerca de uma pauta que envolve mais de 500 anos de história, a usurpação de terras indígenas, torna-se um desafio ainda maior quando observamos que este debate irrompe justamente na semana em que o Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles deixa o governo.
Ricardo Salles – como lembram jornais mundo a fora – está envolvido em acusações de tráfico de madeira e é possível que novas provas venham à tona nas próximas semanas. Não podemos esquecer que Salles é também o autor da célebre sugestão de que o Brasil deveria aproveitar a pandemia para “passar a boiada”. De fato, é a perspectiva que se coloca, sobretudo quando observamos a nomeação de um ruralista como novo ministro.
Infelizmente, parece que se vão os ministros, mas seguem seus bois – e estes passam por cima da Constituição, dos biomas e dos direitos indígenas. Como diz Eliane Brum em sua coluna semanal, no El Pais, a votação do PL490 é um ponto de não retorno: “A boiada passa inteira e nós todos, inclusive os autores do crime, ficaremos embaixo dos cascos porque a floresta vai virar outra coisa. E a coisa que vira não vai regular o clima”.
Fica o convite, então, para que o jornalismo brasileiro pare de se debater entre suas muitas cartolas pré-prontas e assuma, de uma vez por todas, que o ambiente seja não só uma pauta, mas um aliado. E é importante para todos nós que se imponha um freio à boiada e aos boiadeiros.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s