No caminho da praga, tinha um ser humano

Imagem – Captura de tela de reportagem publicada pela Agência Pública
Por Carine Massierer*

No final de junho, uma grande nuvem de gafanhotos vinda da Argentina ameaçou chegar à fronteira brasileira. O Ministério da Agricultura do Brasil publicou uma portaria declarando estado de emergência fitossanitária no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Essa medida tem duração de um ano e permite, temporariamente, a contratação de pessoal, a importação de agrotóxicos para conter a praga e a flexibilização do uso dos produtos já autorizados para novas culturas. Com isso, pode ser aprovado o uso de agrotóxicos que não estariam autorizados para o controle de gafanhotos.

A decisão tomou as páginas dos principais jornais do Brasil, como a Folha de São Paulo (Ministério declara emergência em RS e SC para combate de gafanhotos) que fez matéria expondo a decisão ministerial e o monitoramento dos gafanhotos feito pelo governo do estado. Mesmo assim, não aprofundou a informação sobre as possíveis causas do fenômeno. Diante dessa forma de comunicar este problema socioambiental, os questionamentos se mantiveram: quais as causas desse fenômeno? 

Também encontrei matérias do Correio do Povo (Entenda o fenômeno da nuvem de gafanhotos que assola o Norte da Argentina), do UOL Economia (Como se forma uma nuvem de gafanhotos? É comum? Veja perguntas e respostas) e da Agência Pública (Para combater nuvem de gafanhotos, governo libera mais usos para agrotóxicos). Esses jornais dedicaram mais espaço para explicações científicas de como se formam as nuvens de gafanhotos. A Agência Pública e a Repórter Brasil ouviram cinco pesquisadores em entomologia – o estudo dos insetos – para entender como a ação humana influencia este fenômeno.

Um dos motivos para a formação dessas nuvens são as mudanças climáticas. Estamos vivendo períodos de temperaturas altas com clima seco na entrada do inverno (enquanto o habitual seria as temperaturas baixas na região sul do Brasil), o que favoreceu  a proliferação dos insetos. Outra causa é a eliminação dos inimigos naturais do gafanhoto (pássaros, sapos, fungos e bactérias) parcialmente ocasionado pelo uso incorreto e abusivo de inseticidas e agrotóxicos.

Esses argumentos corroboram com o alerta  de Loose (Jornalismo e Mudanças Climáticas: panorama das pesquisas da área e discussão sobre a cobertura de riscos e formas de enfrentamento) sobre como o jornalismo deve agir frente esses fenômenos:

Urge que o jornalismo tome o tema como central seja pelo seu compromisso com o interesse público (já que falamos da sobrevivência da humanidade), seja pela premência do problema (que pode ser mais rapidamente enfrentado com a colaboração da imprensa, que constrói sentidos de riscos e possibilidades de combatê-los)”.

O assunto ainda carece de mais atenção, especialmente no que tange a medidas de mitigação e adaptação – respostas que mostram que é possível viver sob outras lógicas menos danosas ao planeta e à nossa própria espécie.

Referências: 

BELING LOOSE, Eloisa. Jornalismo e Mudanças Climáticas: panorama das pesquisas da área e discussão sobre a cobertura de riscos e formas de enfrentamento. Revista Alceu, v. 20, n. 38, 2019, p. 107-128.

*Carine Massierer é jornalista, mestre em Comunicação e Informação pela UFRGS e integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS). 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s