“Quando o Brasil vai entender que sem os povos indígenas nós não vamos constituir uma nação?”

Eliege Fante*

A descontinuidade da cobertura jornalística possivelmente seja uma das causas do nosso precário conhecimento sobre a questão indígena. A essa abordagem insuficiente relaciona-se a falta de reação à altura por parte dos cidadãos brasileiros diante da iminência de genocídio dos povos originários, apesar das inúmeras denúncias de diversas entidades. Isto é expresso na pergunta-título, feita por Ailton Krenak em sua palestra no Simpósio “Ciência, Arte e Educação em tempos de pandemia” em 12 de junho de 2020. A crítica que toca, inclusive ou principalmente, a comunicação social hegemônica está na invisibilidade sobre esses povos, “mesmo no período de vida democrática do nosso país”, salientou.
Segundo Krenak, “Temos um governo que está a cada dia e a cada semana produzindo um novo instrumento de violência, de negação dos direitos dos povos que vivem na floresta [e em outras regiões do país onde conflitos fundiários sempre incidem sobre territórios indígenas] e uma cooptação da opinião pública desinformada sobre esses povos”. De fato, é a internet através das redes sociais que tem “noticiado” muitas mobilizações relevantes, ao contrário do que tem feito os meios/empresas de comunicação hegemônica de modo geral. Foi dessa maneira que ficamos sabendo, na semana passada, da nona entrega em apenas três meses de alimentos, roupas, cobertas, cobertores, garrafas de vidro, duas mudas, sendo uma de abacate e outra de araucária, ao povo da Retomada Indígena de Maquiné (RS). Um coletivo de voluntários organizou uma campanha permanente porque “toda ajuda é bem-vinda e necessária” diante do abandono e negligência dos órgãos públicos em plena pandemia da Covid-19. Residem na aldeia 15 famílias com 37 crianças, cuja sobrevivência dependia da venda do artesanato nas cidades.
Um voluntário dessa mobilização nos contou que, no início da pandemia, os órgãos públicos ligados à questão indígena realizaram uma entrega de alimentos e outros recursos, como máscaras e álcool gel. Esta entrega foi repercutida em alguns meios/empresas de comunicação hegemônica, talvez devido a predileção por fontes oficiais. Contudo, os/as jornalistas sabem que as fontes de credibilidade não são apenas aquelas ligadas aos poderes de Estado ou aquelas autorizadas pela política editorial/comercial das empresas. As fontes estão envolvidas com os fatos e têm informações constantes, como é o caso dos integrantes de movimentos sociais e entidades não-governamentais, além, evidentemente, dos próprios envolvidos que, não raro, não têm vínculo algum com nenhuma organização. Ao mesmo tempo, não desconsideramos que os órgãos dos governos devem ser cobrados pela imprensa sobre as informações e a garantia do atendimento das necessidades nas aldeias e não apenas neste período de isolamento/distanciamento social, mas também em favor das demarcações dos territórios e outras demandas da população indígena.

Fonte: Captura de tela do site Cimi

Contudo, não será a falta de informação que dificultará a continuidade da cobertura da pauta indígena nem o nosso acompanhamento sobre este tema essencial. O site do Conselho Indigenista Missionário abriu a editoria “Povos indígenas e o coronavírus” para manter as informações de contágio atualizadas. Ao mesmo tempo, encontrar fontes indígenas e escutá-las durante a pandemia é uma possibilidade inadiável através dos diversos sites e redes sociais que trazem a comunicação social indígena, como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, a Mídia Índia e a Comunicação Kuery.

*Jornalista pós-graduada em Comunicação e Informação PPGCOM-UFRGS, integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental e filiada ao Núcleo de Ecojornalistas do Rio Grande do Sul

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s