Emergências que se encontram: junto à pandemia, a estiagem

Fonte: Captura de tela do site GaúchaZH

Por Angela Camana*

A situação da pandemia provocada pelo novo coronavírus, cujos efeitos se fazem sentir no Brasil de forma cada vez mais dramática, vem justificadamente dominando as manchetes dos jornais. O noticiário do país tem desdobrado a temática e produzido múltiplas conexões com outras esferas que não a da saúde unicamente, como este Observatório já apontou (por exemplo, as conexões com consumo e com a crise climática).


Sem ignorar as tensões que a Covid-19 coloca aos sujeitos e às instituições, pouco a pouco, outro assunto tem ganhado espaço no jornalismo do Rio Grande do Sul: a estiagem que assola o Sul do Brasil. Só no Estado, mais de 70% dos municípios já decretaram situação de emergência devido à seca. A falta de chuvas faz com que as barragens hidrelétricas estejam em níveis críticos, assim como está comprometida a produção agrícola esperada. A Defesa Civil diz que ainda não há desabastecimento para consumo doméstico, embora tenha mobilizado caminhões-pipa para levar água à população rural.


No site GaúchaZH, o tema ganhou algumas publicações na última semana, com destaque para a notícia veiculada em primeiro de maio, que foi capa do site, Estiagem afeta sete de cada 10 municípios gaúchos. São ouvidas diferentes fontes, as quais são unânimes em diagnosticar o caráter crítico da situação; todos os citados são dirigentes de instituições públicas do Estado, com exceção de uma meteorologista. O predomínio de fontes oficiais e científicas já foi apontado como um dos principais vícios do jornalismo sobre meio ambiente, o que se repete no caso desta notícia.


Há, ainda, uma galeria de fotos, as quais retratam o baixo nível das barragens e o solo seco rachado em açudes e rios. O texto em questão apresenta muitos indicadores, que são reunidos em uma espécie de box ao fim da publicação.

Fonte: Captura de tela do site GaúchaZH

Ainda que haja um esforço importante de apresentar dados (número de municípios afetados, nível dos rios), os mesmos poderiam ser mais bem contextualizados. No mesmo sentido, a cobertura da estiagem ainda parece bastante presa à fórmula das fontes oficiais e negligencia os sujeitos em detrimento da produção. Aliás, a cobertura é sobretudo agropecuária e econômica, pois destaca a urgência do setor em receber ajuda financeira do Governo Federal. Este tipo de foco, ao dar a entender que o dinheiro é solução para a questão, ignora o fato de que a seca no Sul do Brasil é um problema grave e recorrente, cujos efeitos cada vez mais severos já são relacionados à emergência climática. Ironicamente, o modelo produtivo empreendido na região é um dos fatores que se associam às mudanças do clima, o que não se vê debatido nos meios de comunicação.


Como a previsão é de que maio siga com baixo volume de chuvas, a tendência é que a cobertura da temática se intensifique ao longo do mês, conforme aumentarem também os efeitos da seca. Basta esperar que as conexões produzidas quando da veiculação do Covid-19 encontrem ecos no jornalismo gaúcho sobre a estiagem.

*Ângela Camana é Jornalista e socióloga, doutoranda em Sociologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Integrante dos Grupos de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS) e Tecnologia, Meio Ambiente e Sociedade (TEMAS CNPq/UFRGS). angela.camana@hotmail.com

Um comentário em “Emergências que se encontram: junto à pandemia, a estiagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s