Governo parece objetivar a destruição ambiental

Fonte: Captura de tela do site Nexo

Por Nicoli Saft*

Enquanto o mundo se preocupa com a covid-19, a destruição de nossos ecossistemas perpetrada pelo governo federal não para. O Nexo Jornal fez um breve resumo das principais ações do governo a respeito do meio ambiente durante a pandemia, e podemos perceber que elas só levam ao agravamento da crise ambiental. Temos a demissão de servidores por fazerem seu trabalho e repelirem o garimpo em terras indígenas, a militarização da frente de combate ao garimpo ilegal, as mudanças de regras para a exportação de madeira, a anistia a desmatadores da Mata Atlântica e a gravíssima MP da Grilagem (Medida Provisória 910), que provavelmente se tornará um Projeto de Lei, visto que a MP caduca esta semana.

Gostaria que desse para fazer um texto do observatório sobre cada uma dessas questões, sobre como a mídia tem tratado elas. Infelizmente, a cobertura não tem sido tão extensa assim, e o mundo todo sofre com isso. Como bem falou minha colega Eloisa Beling Loose no último texto publicado aqui no Observatório, “É preciso que o jornalismo seja sentinela dos assuntos que impactam nossa sobrevivência no presente e futuro. A cobertura da pandemia de Covid-19 não pode encobrir ou servir de justificativa para minimizar os problemas ambientais que seguem assolando nossos ecossistemas”.

O texto do Nexo é bom, aponta claramente os rumos do governo no que tange o meio ambiente. O problema é que o objetivo do governo parece ser a destruição do nosso ecossistema. O jornal lista cinco ações do governo Infelizmente temos já mais duas para somar: a militarização do ICMBio travestido de reforma administrativa e um decreto que passa o poder de concessão das Florestas Públicas do Ministério do Meio Ambiente (MMA) para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

A reforma no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade já estava prevista desde fevereiro. As 11 coordenações regionais foram extintas, e no lugar delas foram criadas cinco gerências, uma para cada região do país. Três delas serão chefiadas por militares (Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste). A Sul ainda está vaga. A Associação Nacional dos Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente disse que irá vai recorrer ao Ministério Público Federal para que se investigue o atendimento aos critérios técnicos e gerenciais. Segundo a associação “As medidas tomadas até o momento ampliam os salários e os poderes em áreas intermediárias, em detrimento dos trabalhos finalísticos das Unidades de Conservação, como fiscalização e monitoramento. Aumentam os gastos com cargos políticos e de administração e pioram a autonomia e as condições de trabalho dos servidores, que terão maiores áreas para gerenciar, o que demonstra que as atividades finalísticas do ICMBio não são a prioridade”. Pode se achar mais detalhes na única e damasiada factual reportagem da Folha de S. Paulo sobre o assunto. Senti falta de gráficos explicativos, um fact-checking a respeito do aumento de salários apontado pela ASCEMA e uma explicação menos formal do que de fato muda.

Nesta última semana também Jair Bolsonaro assinou um decreto que transferiu o poder de concessão das florestas públicas federais do MMA para o MAPA. O texto, que não explica os motivos da mudança, transfere a competência de formular estratégias, políticas, planos e programas para a gestão das florestas. O ministério de Tereza Cristina ainda ficará responsável por escolher quais áreas serão concedidas e comandar o processo de licitação. O Globo e a Folha fizeram matérias sobre, seguindo rumos bem diferentes ao tentar encontrar os motivos da mudança. A Folha aponta que a medida seria uma resposta do governo ao adiamento da votação da MP da Grilagem. A reportagem cita “ambientalistas”, sem nunca explicar quem seriam esses. Entretanto, a reportagem nos dá uma boa explicação das mudanças e aponta possíveis consequências.

A matéria do Globo já traz uma outra perspectiva, a preocupação de que as florestas voltem a ser vistas sob a ótica mercantil. O motivo da transferência das florestas para a pasta de agricultura pode não ser primeiramente este, mas, com certeza, afeta a forma como vemos nossas florestas. A matéria do Globo não traz tantas explicações quanto à da Folha, mas a parabenizo por trazer essa interpretação, tão dolorosa se perceber mas ainda assim tão escancarada. Com a lista do Nexo Jornal, as ações tomadas quanto ao ICMBio e as matérias do Globo e da Folha, infelizmente só conseguimos concluir que a preservação do meio ambiente não é um dos objetivos do governo Bolsonaro, o objetivo parece ser justamente o contrário, a sua destruição. Tendo em mente esses sucessivos ataques, acredito ser papel do jornalismo não deixar de lado esse tema mesmo durante a pandemia. Temos que deixar o governo saber que estamos cientes do que estão fazendo, e comunicar a toda a sociedade. O jornalismo precisa assumir seu lado como defensor do meio ambiente para não deixar ele ser destruído.

* Jornalista, mestranda em Comunicação na Universidade Federal do Rio Grande do Sul com bolsa Capes. Integrante do Grupo de Pesquisa Jornalismo Ambiental (CNPq/UFRGS).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s